#Qual é o papel da APS com o aumento da #violência doméstica na pandemia de #Covid-19?

Postado em Atualizado em

punho fechado de homem que pratica violência doméstica contra mulher durante Covid-19

As medidas de isolamento social iniciadas com o intuito de conter o avanço da pandemia de Covid-19 vêm causando diversos impactos econômicos, sociais e na própria saúde da população. Os serviços de saúde vêm, desde então, tendo que se adaptar a essas mudanças, de maneira a permanecer atuante e eficiente frente aos agravos e doenças. Um desses impactos, conforme demonstram diversos estudos, é o do aumento da violência doméstica, principalmente contra mulheres.

 

Violência doméstica e APS

É papel das equipes de Atenção Primária à Saúde (APS) reconhecer e acompanhar com mais atenção os indivíduos e famílias com maior vulnerabilidade, tanto às doenças biológicas como à violência. Contudo, alguns obstáculos se apresentam para a adequada abordagem por parte dessas equipes a situações de violência intrafamiliar. A falta de capacitação dos profissionais, algumas limitações próprias dos serviços de saúde e a pouca integração destes com outros equipamentos sociais acabam levando a baixa resolutividade no enfrentamento ao problema.

Além disso, há muitos fatores que podem impedir a mulher vítima de violência de realizar a denúncia ou até mesmo relatar a situação em consulta, como sentimentos de medo ou vergonha, dependência emocional e financeira e a sensação de impunidade. Assim, mostra-se premente a construção de estratégias para que os profissionais da APS possam atuar diante do problema da violência doméstica, tão acentuado nesse momento.

 

Em primeiro lugar, é essencial conhecer os canais de denúncia e apoio para esses casos, bem como divulgá-los amplamente na comunidade. O Ligue 180 é um serviço de abrangência nacional que recebe denúncias e orienta sobre direitos e possíveis encaminhamentos a serviços de enfrentamento à violência contra a mulher, funcionando 24 horas por dia. Há também o Disque 100, que é um serviço de denúncia contra violações de direitos humanos, inclusive os relacionados à pandemia por Covid-19.

É essencial também capacitar os profissionais da APS, principalmente o Agente Comunitário de Saúde (ACS) para identificar casos de violência no território. O ACS, como membro da comunidade e da equipe profissional, é estratégico nessa abordagem, podendo realizar a comunicação entre o território e a equipe.

Tanto a abordagem pelos profissionais, quanto o ambiente da unidade de saúde devem ser acolhedores e capazes de garantir que a mulher se sinta segura para compartilhar esse problema durante os atendimentos, que muitas vezes permanece oculto. A privacidade deve ser garantida e o sigilo da consulta reforçado com a paciente.

 

Conclusão

Por fim, é muito importante que se fortaleçam as estratégias de atendimento remoto, tanto por telefone, quanto pela internet. As ligações telefônicas ou por vídeo podem ser realizadas pelos ACS, mas também por enfermeiros e médicos, que estão respaldados pelos órgãos legais e por seus conselhos profissionais a realizarem atendimentos à distância durante o período de pandemia. Caso a equipe já possua uma listagem das mulheres vítimas ou com risco de sofrerem violência, é recomendado o seu acompanhamento por essas vias. O atendimento remoto também pode ser oferecido aos abusadores, de maneira a fornecer suporte no momento em que sentem que podem estar perdendo o controle.

Para saber mais detalhes sobre a abordagem a pacientes vítimas de violência doméstica, veja o conteúdo no Whitebook.

Autor(a):

Renato Bergallo

Graduação em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (UFF) ⦁ Residência em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e em Administração em Saúde (UERJ) ⦁ Mestre em Saúde da Família (UFF) ⦁ Doutorando em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) ⦁ Professor da disciplina de Saúde da Família e gerente do Centro de Saúde Escola Lapa da Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá

Referências Bibliográficas:

  • RECOMENDAÇÕES DA SBMFC PARA A APS DURANTE A PANDEMIA DE Covid-19. Grupo Técnico para Recomendações da SBMFC para a APS durante a Pandemia de Covid-19. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 1ª Edição 16 de maio de 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s