#Iniciar o rastreamento aos 40 anos com mamografia reduz mortalidade por câncer de mama?

Postado em

Médica analisa mamografia de paciente com mais de 40 anos para rastreio de câncer de mama

Iniciar o rastreamento aos 40 anos com mamografia reduz mortalidade por câncer de mama?

 

Segundo estudo britânico, a resposta é SIM! Ainda sobre o controverso e muitas vezes “inflamado” debate a cerca da melhor idade para iniciar o rastreamento do câncer de mama por mamografia, acaba de ser publicado um importante estudo britânico chamado UK AGE TRIAL.

Método do estudo

O estudo incluiu 53.883 britânicas de 23 unidades de rastreamento na Inglaterra, Escócia e País de Gales na faixa de 39-41 anos para realizar mamografia anual (grupo de intervenção) até completarem 48 anos e usou como grupo controle 106.953 mulheres (randomização 1:2) que só iniciaram o rastreamento após os 50 anos de idade conforme as diretrizes habituais do NHSBSP (Programa Nacional de Rastreamento de Mama do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido). O desfecho avaliado foi a mortalidade por câncer de mama. O seguimento foi até 2017 alcançando em média 23 anos. O recrutamento ocorreu entre 1990-1994, ainda antes da mamografia digital estar disponível.

Resultados

Com relação aos resultados, os pesquisadores observaram uma redução significativa da mortalidade por câncer de mama (VINTE E CINCO por cento) com 10 anos iniciais de seguimento com 83 mortes no grupo da intervenção contra 219 no controle (risco relativo [RR] 0,75 [95% CI 0,58–0,97]; p = 0,029). Após esse período inicial não houve diferença significativa na mortalidade, 126 vs 255 mortes foram documentadas (RR 0,98 [0·79–1,22]; p = 0,86). Estudos anteriores e meta-análises avaliavam que a redução de mortalidade era da ordem de 13-16% para o grupo que iniciou precocemente o rastreamento.

Esta atual publicação incluiu mais 6 anos em média de seguimento, e os pesquisadores reforçam a redução da mortalidade nas mulheres que iniciam o rastreamento com cerca de 40 anos sem aumento do overdiagnosis (sobrediagnóstico), tão questionado pelos críticos.

Limitações

Os autores referem algumas limitações do estudo. Primeiro que a intervenção ocorreu entre os anos de 1990 e o início dos anos 2000. Os tratamentos eram os daquela época. O exame incluía apenas uma incidência de mamografia (?!) e desta forma a capacidade de detecção de câncer de mama seria limitada, não podendo ser comparada com as mamografias digitais de hoje em dia com pelo menos 2 incidências (médio-lateral-oblíqua/crânio-caudal). Isto posto, a estimativa dos autores para a redução de mortalidade seria conservadora. Do outro lado, a melhoria dos tratamentos adjuvantes pode reduzir a “eficácia” do rastreamento precoce nos tempos atuais. De qualquer maneira, existe uma vantagem evidente em termos de sobrevida em fazer diagnóstico e tratamento em estádios iniciais, sem falar na redução do impacto social, físico, psicológico de tratamentos caros, agressivos e muitas vezes mutiladores de pacientes em estádios avançados.

Mensagem final

Nem precisa perguntar para as pacientes o que elas preferem, se seria melhor fazer uma cirurgia conservadora, muitas vezes seguida de radioterapia localizada e hormonioterapia e sem quimioterapia, ou fazer uma quimioterapia, cirurgia radical, etc.

No mundo ideal estudos com os atuais exames de mamografia e tratamentos adjuvantes desta era deveriam ser feitos em mulheres com menos de 50 anos, mas não dá para esperar mais 23 anos para descobrir isso. Some-se a isso o fato de que nos países como o Reino Unido apenas 15% dos casos de câncer de mama ocorrem em mulheres com menos de 50 anos, já em nosso país este número chega a 30-40% dos casos. Talvez aqui o rastreamento mais cedo seja ainda mais importante.

Se negarmos o rastreamento a essas mulheres jovens, podemos comprometer o diagnóstico precoce de milhares de brasileiras. Mamografia não é perfeita, mas é o melhor exame para rastreamento, e reduzir a mortalidade em 25% é muito relevante. É hora de mudar esse cenário.

 

PebMed

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Duffy S, Vulkan D, Cuckle H, Parmar D , Sheik S, Smith R A, et al. Effect of mammographic screening from age 40 years on breast cancer mortality (UK Age trial): final results of a randomised, controlled trial. The Lancet. Published online August 12, 2020 doi:10.1016/S1470-2045(20)30398-3.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s