#Medindo #intervalo QT através de #dispositivos inteligentes

Postado em

Relógios inteligentes (smartwatches) são utilizados para medir o intervalo QT

A pandemia da Covid-19 trouxe vários desafios ao mundo, ao passo que também pode ser encarado como um período de grandes avanços científicos. Durante as pesquisas clínicas, drogas como hidroxicloroquina e azitromicina foram elencadas no arsenal terapêutico da doença. Por esse motivo uma preocupação com arritmias cardíacas por prolongamento do intervalo QT preocupou a comunidade médica.

Diversos protocolos de monitorização desses pacientes foram desenvolvidos e tecnologias foram aventadas para auxiliar nessa tarefa. Foi nesse sentido que o American College of Caridology indicou dispositivos inteligentes (smartwatches), previamente utilizados para detecção de fibrilação atrial, como possibilidade de monitorização de arritmias e prolongamento do intervalo QT.

 

Testes práticos

Foi com a intenção de testar os relógios inteligentes na medição do prolongamento do intervalo QT, que um estudou avaliou 100 pessoas consecutivamente, em ritmo sinusal que se apresentaram a departamentos de emergência. O dispositivo era capaz de reproduzi 1 canal de ECG, sendo então medido em três lugares a fim de contemplar 3 derivações (DI no punho esquerdo, DII no tornozelo esquerdo e V6 na linha axilar anterior). Um cardiologista, utilizando um software específico mediu e corrigiu o intervalo QT de acordo com a fórmula de Bazett.

A média de idade da população era de 67 anos, 59% eram homens e 35% tinha diagnóstico de doença cardíaca. A frequência cardíaca do dispositivo batia com a frequência cardíaca medida no ECG convencional de 12 derivações. Os intervalos QT variaram de 336 a 530 ms. Oito pacientes foram identificados como alto risco de arritmias tanto pelo ECG quanto pelo relógio.

O QT não pode ser medido em todas as derivações em todos os pacientes pelo relógio devido à baixa amplitude da onda T, artefatos e interferências, ou os dois.

 

Conclusão

Por fim, o estudo concluiu que o relógio inteligente foi capaz de medir corretamente o intervalo QT em 84% dos casos quando avaliado no punho e 94% quando foi medido em mais de uma derivação.

Esses achados abrem precedentes para utilização de dispositivos inteligentes na monitorização de complicações em tratamentos que envolvem o prolongamento do intervalo QT como efeito colateral.

 

Autor(a):

Gabriel Quintino Lopes

Sou médico clínico geral e cardiologista, atualmente atuando na área de terapia intensiva, ambulatorial, assistência em enfermaria e coordenação médica. Trabalho no Hospitais Santa Casa em Barra Mansa e na Unidade Cardiointensiva do Hospital São Lucas em Copacabana.

Referências bibliográficas:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s