#Novas perspectivas no tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Postado em

Jovem com síndrome dos ovários policísticos em consulta

 Gabriella Iuorno Hayasaki , Ginecologia e Obstetrícia

síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma condição prevalente em meninas adolescentes e mulheres jovens, ​caracterizada por oligomenorreia e efeitos androgênicos, comumente causada pelo excesso de gordura hepatovisceral decorrente de uma incompatibilidade entre nutrição pré-natal e pós-natal, e suscetibilidade genética.

Muitas dessas pacientes iniciam seu tratamento com contraceptivos orais combinados (COC), o que a longo prazo leva à subfertilidade oligoanovulatória, uso de técnicas de reprodução assistida e gestações com um risco duas a três vezes maior de complicações, como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e parto prematuro, além da possibilidade de sequelas para toda a vida da prole.

Tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Estudo de casos

A mais recente publicação sobre o tratamento da SOP em adolescentes não obesas analisou os resultados combinados de dois estudos piloto em meninas não obesas com SOP, com idade média de 15/16 anos, e comparou os efeitos dos tratamentos por um ano, com contraceptivo oral combinado (COC) e com uma combinação de baixa dose de espironolactona (diurético poupador de potássio, antiandrogênico e antimineralocorticoide), pioglitazona e metformina (sensibilizadores de insulina), SPIOMET, visando o excesso de gordura ectópica.

O tratamento com COC e SPIOMET reduziu o excesso de andrógeno comparativamente e não teve efeitos diferenciais na massa magra ou gorda do corpo total. No entanto, SPIOMET foi acompanhado por uma normalização mais ampla com efeitos positivos na gordura hepatovisceral e na insulina circulante. Em média, houve trêz vezes mais ovulações pós-tratamento com SPIOMET do que com os COCs, sendo a normovulação observada apenas após SPIOMET, enquanto que a anovulação foi dez vezes mais prevalente pós-COCs.

Conclusão

Os resultados combinados dos estudos randomizados em meninas adolescentes não obesas com SOP indicam que o tratamento com espironolactona, pioglitazona e metformina levam a uma condição geral mais saudável e mais sensível à insulina, com redução da adiposidade ectópica, e é seguido por uma taxa de ovulação mais normal do que com o tratamento com contraceptivos orais combinados (estrogênio e progesterona).

Os presentes resultados ainda precisam ser confirmados com uma maior análise populacional e em populações mais diversificadas, inclusive em meninas com obesidade, diferentes etnias e com outras exposições ambientais.

Autora:

Gabriella Iuorno Hayasaki

PebMed

Referência bibliográfica:

  • IBÁÑEZ, L; DÍAZ, M; GARCÍA-BELTRÁN, C; et al. Toward a Treatment Normalizing Ovulation Rate in Adolescent Girls With Polycystic Ovary Syndrome. Journal of the Endocrine Society, 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s