Detecção precoce de depressão pós-parto com base em aplicativo de smartphone

Postado em

Depressão pós-parto é um agravo que acomete em torno de 1 a cada 25 partos

Depressão pós-parto (DPP) é um agravo que acomete em torno de 1 a cada 25 partos. Sua ocorrência pode se estender até quase o sexto mês de puerpério. A morbidade pode prejudicar o convívio materno, fetal ou ainda prejudicar o cuidado mãe-feto. Por isso torna-se importante e interessante seu diagnóstico precoce e tratamento eficaz para que a mulher possa vivenciar essa época de forma plena.

Prevalência depressão pós-parto

Vários estudos têm mapeado algo em torno de 10-20% de prevalência ao redor do mundo. Os sintomas podem ir desde um ligeiro desconforto, passar por sensações de agonia até a completa dependência medicamentosa para dormir, levantar ou cuidar dos filhos. Muitas mulheres sentem-se fracas, cansadas e estressadas em quaisquer momentos desde o nascimento até podendo chegar ao sexto mês de puerpério.

Baseado nessas premissas importantes um grupo espanhol resolveu estudar a prevalência desse quadro utilizando a Escala de Edinburgh de Depressão Pós-Natal (EEDPN) através de download da escala em aplicativo de celular Android. As pacientes faziam o download, treinamento e teste inicial na última semana de gravidez. Após o parto, durante a primeira semana puerperal faziam o preenchimento pela primeira vez da escala. Na quarta semana de pós parto, foram novamente testadas de acordo com a mesma escala. Após o preenchimento o aplicativo informava um escore das informações comparando com teste T dependente as duas avaliações da primeira e quarta semanas. Ainda se levou em consideração com teste ANOVA outros parâmetros comparativos entre as 64 pacientes (nível educacional, estar ou não empregada, idade e paridade).

De posse desses dados algumas conclusões interessantes foram publicadas:

  • Foram relevantes idade e paridade neste estudo: depressão pós-parto prevaleceu entre primíparas com menos de 20 anos de idade. Talvez a imaturidade e a precocidade de novidade da gestação e do parto podem ser os agravantes para essas jovens mães.
  • Não foram encontradas diferenças significativas para screening realizado na primeira ou na quarta semanas de puerpério. Portanto para o melhor benefício do binômio materno-fetal é interessante aplicar o mais precoce possível na primeira semana de pós parto para, identificados os sinais, iniciar o tratamento.
  • Não se observaram diferenças entre os níveis de escolaridade. Aqui outro ponto de interesse onde fica a pergunta: Será que as mães de mais baixo nível cultural têm a capacidade técnica de responder corretamente às perguntas do aplicativo? Pode ter sido um viés de ordem técnica para o trabalho.
  • Não houve diferenças entre as mães que estavam com emprego formal ou desempregadas para a prevalência de depressão puerperal. Apesar de existirem trabalhos demonstrando maior prevalência em mulheres que não trabalham.

Conclusão

O trabalho em questão poderia ser resumido em seus achados com a seguinte frase: não existe diferença entre fazer screening na primeira ou na quarta semana para depressão pós-parto. A incidência encontrada foi maior nas primíparas mais jovens abaixo de 20 anos de idade. Isso mostra-se relevante para os profissionais da saúde realizarem screening o mais precoce possível na primeira visita puerperal para que a prevenção, medicação e acolhida dessas pacientes seja plena.

Autor(a):

João Marcelo Martins Coluna

Médico Ginecologista e Obstetra formado pela Universidade Estadual de Londrina • Mestrado em Fisiopatologia pela Unoeste (Universidade Oeste Paulista) • Docente da Unoeste (Presidente Prudente) – departamento materno infantil • Preceptor Residência Médica Hospital Regional Presidente Prudente – SP • Plantonista Ginecologia e Obstetrícia Hospital Regional Presidente Prudente • Plantonista Ginecologia e Obstetrícia Hospital Estadual Dr. Odilo Antunes Siqueira (Presidente Prudente – SP) • Plantonista Ginecologia e Obstetrícia Santa Casa de Misericórdia de Adamantina
Plantonista Socorrista Santa Casa de Misericórdia Presidente Prudente • Médico Regulador ambulatorial município de Dracena – SP • Médico Preceptor ambulatorial UNIFADRA (Dracena – SP) • Ginecologista do serviço ambulatorial de Narandiba (SP) • Ginecologista e Obstetra do serviço ambulatorial de Pirapozinho (SP).

Referências bibliográficas:

  • Sarli D, et al. Early screening of baby blues based on Android applications: First-week postpartum. Enferm Clin. 2020;30(Supl 5):129-32. doi: 10.1016/j.enfcli.2019.11.038

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s