Imunidade pré-existente ao SARS-CoV-2

Postado em Atualizado em

Estudo sobre imunidade pré-existente ao SARS-CoV-2

O estudo da resposta imunológica ao SARS-CoV-2 tem sido de grande importância na resposta à pandemia de Covid-19, tanto para o desenvolvimento de vacinas, quanto para uma melhor compreensão da epidemiologia da doença, a fim de esclarecer por que alguns indivíduos parecem não se contaminar ou ter quadros oligo/assintomáticos.

Especula-se que uma imunidade cruzada entre outros coronavírus humanos (hCOV) possa garantir uma proteção temporária contra o SARS-CoV-2. Em um estudo recente, cientistas pesquisaram a presença de anticorpos reagentes a este vírus no soro de pacientes com e sem histórico de Covid-19. O principal sítio de ligação destes anticorpos é a glicoproteína spike, com suas subunidades S1 e S2.

Análise do soro de pacientes com e sem histórico de Covid-19

Foi estudado o soro de 156 pacientes convalescentes de Covid-19, dos quais 154 apresentaram IgM, IgG e IgA simultaneamente contra o vírus. Nos dois demais pacientes foi detectado apenas IgG. No entanto, anticorpos também foram detectados no soro de pacientes sem histórico de infecção pelo SARS-CoV-2, de amostras coletadas em um período anterior à pandemia. Nestes pacientes, tais anticorpos foram detectados em 5 de 34 indivíduos com infecção por outros hCOV e em 1 de 31 pacientes sem qualquer infecção por coronavírus. Já em um subgrupo de amostras de soro de crianças de 1-16 anos coletados entre 2011 e 2018, 21 de 48 pacientes tiveram detecção de anticorpos reagentes contra o SARS-CoV-2.

Nos pacientes sem Covid-19, os anticorpos foram detectados em menores títulos e a principal classe detectada foi IgG. Além disso, os anticorpos eram principalmente contra a subunidade S2.

Conclusões

A presença de anticorpos reagentes ao SARS-CoV-2 em amostras  de soro coletadas previamente à pandemia reforça a hipótese da imunidade cruzada entre coronavírus como um dos mecanismos de proteção que podem estar presentes nos indivíduos. Além disso, essa detecção foi particularmente maior em crianças e adolescentes, o que justifica uma menor prevalência e gravidade da infecção nesta faixa etária.

Autor(a):

Viviane Mauro Corrêa Meyer

Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) ⦁ Residência em Pediatria pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro ⦁ Especialização em Pneumologia Pediátrica pelo Instituto Fernandes Figueira. Mestre em Medicina pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) ⦁ Médica do Hospital Israelita Albert Einstein e preceptora do internato da Graduação em Medicina da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein. Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

Referências bibliográficas:

  • Ng KW, Faulkner N, Cornish GH, Rosa A, Harvey R, Hussain S, Ulferts R, Earl C, Wrobel AG, Benton DJ, Roustan C, Bolland W, Thompson R, Agua-Doce A, Hobson P, Heaney J, Rickman H, Paraskevopoulou S, Houlihan CF, Thomson K, Sanchez E, Shin GY, Spyer MJ, Joshi D, O’Reilly N, Walker PA, Kjaer S, Riddell A, Moore C, Jebson BR, Wilkinson M, Marshall LR, Rosser EC, Radziszewska A, Peckham H, Ciurtin C, Wedderburn LR, Beale R, Swanton C, Gandhi S, Stockinger B, McCauley J, Gamblin SJ, McCoy LE, Cherepanov P, Nastouli E, Kassiotis G. Preexisting and de novo humoral immunity to SARS-CoV-2 in humans. Science. 2020 Nov 6:eabe1107. doi: 10.1126/science.abe1107.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s